GASTROVIE | Dissecção de Submucosa – ESD
540
page-template-default,page,page-id-540,page-child,parent-pageid-496,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-825,elementor-page elementor-page-540

Dissecção de Submucosa – ESD

As lesões da parede do tubo digestivo podem ser malignas, pré-malignas ou benignas. O tratamento endoscópico mais frequente para remoção destas lesões quando são salientes é a polipectomia e quando são planas é a mucosectomia. No entanto, quando as lesões são grandes é difícil a sua remoção completa num único fragmento usando estas técnicas, sendo as lesões removidas em diversos fragmentos. Esta remoção em fragmentos das lesões grandes está associada a uma maior dificuldade da sua avaliação ao microscópio e a um aumento do risco de crescimento posterior da lesão na área da cicatriz.

 

Por isso desenvolveu-se um novo procedimento endoscópico chamado de remoção endoscópica por dissecção da submucosa. Esta técnica é realizada com o paciente sob sedação ou anestesia geral, em centros especializados. No inicio, é inserido um Endoscópio para ver a área afetada. Depois, é injetada uma solução na parede do tubo digestivo para ajudar a elevar a lesão. A lesão é removida usando dispositivos específicos (chamados facas de dissecção). No final é removida a lesão frequentemente num fragmento único. Esta nova técnica torna-se cada vez mais uma alternativa ao tratamento cirúrgico de lesões gastrointestinais precoces.

 

  • Quais as vantagens desta técnica em relação à mucosectomia?

A dissecção da submucosa permite realizar a ressecção das lesões num único fragmento em mais de 90% dos casos. Tal só ocorre em cerca de 50% dos casos na mucosectomia. As taxas de remoção completa com margens livres também é superior na dissecção da submucosa (mais de 90%), sendo de 30-40% na mucosectomia. A taxa de novo crescimento da lesão após o tratamento é inferior a 3% na dissecção da submucosa e de cerca de 6% nos casos de mucosectomia.

 

  • Quais as possíveis desvantagens desta técnica?

Este procedimento pode estar associado a perfuração (em cerca de 3% dos casos) e hemorragia (cerca de 5% dos casos). As perfurações poderão ser tratadas durante a endoscopia. No entanto, alguns doentes necessitam de cirurgia para tratamento da perfuração. As hemorragias são normalmente moderadas, sendo a transfusão de sangue necessária em poucos casos. Em menos de 1% das dissecções endoscópicas da submucosa pode ser necessário realizar cirurgia para parar a hemorragia.

 

  • A disseção da submucosa pode ser realizada nos diferentes orgãos do tubo digestivo?

Esta técnica pode ser realizada no Esófago, Estômago, Duodeno, Intestino Grosso e Reto, no entanto as taxas de sucesso e de complicações são diferentes nestes diferentes órgãos.

 

GASTROVIE – Gastroenterologia e Endoscopia
(61) 3052-3369 / 3081-1973

WhatsApp chat